Prefeitura de Santa Leopoldina decreta estado de calamidade pública

Compartilhe

“Teve um afundamento na calçada, mas nada que afetasse a casa. Essa noite eu não dormi muito bem, porque tem que ficar com um olho no rio, outro na casa. É preocupante”, disse.

Por precaução, a área foi isolada pela Defesa Civil para evitar que carros pesados passem pelo local.

Em outro ponto da cidade, um barranco deslizou e arrastou árvores. O secretário de Obras, Alexandre de Souza Segato, disse que as 16 áreas consideradas de risco estão sendo monitoradas pela prefeitura.

“A nossa preocupação no Centro e nas regiões de interior são os deslizamentos. Quanto a alagamentos, a gente está monitorando o rio, ele está num nível aceitável, está a 2,90 m de altura. Ele tem uma amplitude bem maior que isso, pode chegar entre 5 m e 8 m, ou um pouco mais. Nosso monitoramento hoje são as áreas de risco quanto a deslizamentos”, disse.

A represa que fica na comunidade de Três Pontes também está sendo monitorada. “Hoje, não tem risco de rompimento imediato. O que pode acontecer, por se tratar de uma barragem de terra, é que chova demais, a lagoa não tenha capacidade de vazar e ela seja vertida, ou seja, a água transborde. A gente, por enquanto, trabalha com a hipótese de transbordamento”, disse o secretário. Nesta tarde, a prefeitura deve voltar ao local para fazer uma nova vistoria.

O morador Edimar foi uma das pessoas que precisaram sair de casa por conta do risco de deslizamento. Ele e a família estão abrigados no Cras da cidade. De lá, ele consegue ver a casa, mas não pode retornar.

“Assim que passar a chuva, a prefeitura vai sentar com a gente e ver o que pode ser feito. Mas, no momento, a gente não condições de voltar, porque o morro está muito encharcado”, disse.

Três pessoas morreram em virtude de deslizamentos que ocorreram no município. Uma delas foi a do idoso Adolfo Siller, de 87 anos, que foi soterrado dentro de casa pela enxurrada na região de Tirol.

As outras duas foram de pai e filho, também por consequência da chuva forte na cidade. Um morro deslizou para cima da casa onde morava a família: o pai Fernando Caus morreu no local, já mãe e filho, o menino Lorenzo Caus de seis anos, foram resgatados com vida e internados. Entretanto, a criança não resistiu e morreu nesta segunda-feira (18).