Filme capixaba será exibido em festival internacional na Holanda

Compartilhe

O filme estreará mundialmente na Holanda no dia 25 de janeiro de 2020 e terá reprise de exibição no dia seguinte.

A história fala sobre uma companhia contemporânea de dança que está prestes a estrear “Inabitáveis”, o seu mais novo espetáculo, que aborda como tema a homoafetividade negra. Paralelamente aos ensaios, o coreógrafo constrói uma amizade com Pedro, um jovem menino negro que não se identifica como menino.

Com elenco formado por Castiel Vitorino Brasileiro, Markus Konká, Lucciano Coelho, Mauro Marques e Gil Mendes, Inabitáveis é um filme que aborda a homossexualidade, a transsexualidade e a escravidão do corpo negro no Espírito Santo como temas por meio da dança, da manipulação de textos históricos e do mapeamento de locações da Grande Vitória em cenários para o filme, como o Centro Histórico de Vitória, as ruínas da Igreja de São José do Queimado, as belezas da Reserva de Jacarenema, o imponente Theatro Carlos Gomes e outros monumentos da história do Estado.

O filme recebeu apoio da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) e do Museu Capixaba do Negro (Mucane)

Inabitáveis é inspirado em um espetáculo de dança contemporânea, de nome homônimo, da companhia capixaba de dança In Pares, composta de uma coreografia de Gil Mendes em parceria com os bailarinos Lucciano Coelho e Mauro Marques, e que teve a sua estreia nos palcos capixabas em 2014, quando Bardot era co-produtor do espetáculo.

Já o filme, que teve o seu início de produção em 2017, após o projeto ser contemplado pelo edital 017/2017 da Secult, buscou explorar uma narrativa mais ampla para também contar uma parte da história do Espírito Santo – o regime de escravidão do corpo negro na Grande Vitória – usando métodos estéticos não-convencionais, através de uma linguagem híbrida e poética.

Inabitáveis é a estreia profissional de Anderson Bardot como diretor no cinema. Segundo o diretor, o filme fala sobre a celebração da diversidade e da liberdade do corpo.

“Inabitáveis é o tipo de filme que eu gostaria de ver na tela do cinema. Um filme que falasse sobre a Cia In Pares de Dança, sobre um espetáculo que inaugura o tema homossexualidade negra nos palcos do Espírito Santo, mas mais do que isso, um filme que transbordasse os palcos e desaguasse na rua e fizesse dela o seu verdadeiro espaço de emancipação – a arte como ferramenta de impulsão à vida”, afirma.

Investimentos estrangeiros para o cinema capixaba

O jovem cineasta começa agora a desenvolver o seu primeiro longa-metragem, “O Sagrado Coração de Valquíria”, que foi contemplado no edital 004/2019 da Secult. Por isso, a participação no IFFR também será uma oportunidade para levantar possíveis parceiros e investidores para projetos de realizadores capixabas.