Mais de 40 presos beneficiados por saída temporária no ES não retornaram à prisão após o Natal

Compartilhe

Para garantir o benefício, o presidiário também deve apresentar bom comportamento, não cometer atos ilícitos e não frequentar locais como bares e festas.

Apesar de ser um direito dos internos, o secretário de Estado de Segurança Pública, Roberto Sá, já havia dito em entrevista à TV Gazeta que a saída dos detentos é motivo de preocupação. De acordo com ele, alguns dos que deixam a prisão podem, de fato, não retornar e estariam dispostos a matar e a morrer.

Esta semana, a Polícia Civil prendeu em Linhares um homem que confessou ter matado a própria mãe a facadas na noite de Natal. Diego da Conceição, de 28 anos, era um dos presidiários contemplados pela saidinha. Ele afirma que a discussão com a mãe começou após ele ter furtado e vendido uma televisão da casa dela para comprar drogas.

Procurada, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) afirma em nota que as polícias Militar e Civil realizam um trabalho diário de recaptura de evadidos do sistema carcerário.

Durante patrulhamento ostensivo por parte da PM, os antecedentes criminais dos abordados sempre são checados e, caso haja mandado de prisão em aberto, são conduzidos à uma delegacia.

Já a Superintendência Interestadual de captura da polícia Civil possui as informações de cada foragido e realiza trabalho diário para prender qualquer que indivíduo que possua mandado de prisão em aberto.