Criminosos invadem projeto social e furtam equipamentos e alimentos em Vila Velha, ES

Compartilhe

Criminosos invadiram a sede de um projeto social localizado no bairro Argolas, em Vila Velha, e furtaram equipamentos e outros materiais utilizados para o atendimento das crianças da região. O local encontra-se fechado em função da pandemia do coronavírus, mas continuava recebendo doações de alimentos para a população, que também foram levadas.

O crime aconteceu na madrugada deste domingo (19). De acordo com o presidente do projeto social Esperança, Rogério Teixeira, os criminosos pularam as janelas do local. Ele conta que foi avisado sobre o crime por um amigo, que passou em frente à sede e notou que ele havia sido invadido.

“Eu desci e quando cheguei, para a minha tristeza, encontrei as janelas abertas e comecei a ver alguns prejuízos”, contou.

Entre os materiais furtados estão uma televisão, uma botija de gás, um notebook e uma câmera fotográfica. Mas, além disso, os alimentos arrecadados, que seriam distribuídos entre a população, também foram levados.

Após a invasão, caixas de alimentos, que seriam doadas à população, ficaram vazias.  — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Após a invasão, caixas de alimentos, que seriam doadas à população, ficaram vazias. — Foto: Reprodução/TV Gazeta

“É um sentimento de muita tristeza, pois gente trabalha com tanta dificuldade, com tanta luta”, lamentou a diretora do projeto, Lea Amorim.

No momento, o funcionamento do projeto social Esperança foi interrompido em função do risco de transmissão do coronavírus, mas o projeto atende a cerca de 100 crianças do bairro Argolas, que praticam aulas de judô e de Jiu-Jitsu.

No entanto, as aulas também deverão ser prejudicadas, já que durante a invasão os criminosos levaram muitos dos kimonos, que são usados pelos alunos.

O professor da instituição, Alef Kilder, afirma que a roupa possui um valor simbólico para cada criança. “Quando ela veste o kinomo, ele traz alegria, a criança se sente mais especial, como se fizesse parte dessa família”, lamenta.

Lea, por sua vez, reclama dos constantes furtos e pede mais policiamento na região. “Já é quinta vez que somos assaltados. Nós estamos totalmente vulneráveis. A falta de segurança é muito grande, nós não temos policiamento”, afirma.

Já a Polícia Militar afirma que faz o policiamento na região e pede para que os moradores denunciem os casos.

Fonte: G1 ES