Eventos corporativos e espaços culturais poderão funcionar a partir de 1º de setembro no ES

Compartilhe

Alguns deles são as regras de distanciamento social, número máximo de frequentadores e disponibilização de álcool em gel para todos.

Durante a coletiva, o governador considerou que o pior momento da pandemia no estado, que aconteceu entre 15 de junho e 15 de julho, já passou. “Conseguimos passar pelo momento de maior índice de transmissão, maior demanda de leitos, especialmente de UTI”.

Casagrande falou, ainda, sobre a ampliação dos leitos. De acordo com ele, foram mais 715 leitos de UTI abertos em todo o estado para atender pacientes com a Covid-19.

“Conseguimos, por exemplo, vencer essa batalha por demanda de leitos. Nossa maior preocupação em fevereiro, março e abril, era achatarmos a curva (de casos da Covid-19) para que pudéssemos atender a todos que demandassem leitos, de UTI especialmente. Conseguimos abrir mais de 1.500 leitos, 715 só de UTI. Alguns já foram revertidos para outras enfermidades”, explicou.

O governador também adiantou que uma nova Matriz de Risco, que define o risco da Covid-19 em cada município do estado, será implantada em setembro, levando em consideração, principalmente, o número de mortes por causa da doença em cada cidade.

“O que vai ser considerado a partir de setembro é o óbito por município. É isso que vai levar efetivamente a dizer se o município está com risco baixo, alto ou moderado. Vamos levar em consideração os óbitos. Nosso desejo é não ter nenhum óbito por Covid no Estado”, considerou.

Casagrande apontou, ainda, que a taxa de transmissão em parte do Espírito Santo já está abaixo de 1. Ou seja: um grupo de 10 pessoas infectadas transmite o vírus para menos de 10 pessoas, o que provoca uma queda da doença.

No entanto, em algumas regiões, o índice ainda é maior que 1, o que significa que um grupo de 10 pessoas com a doença transmite o vírus para mais de 10 pessoas.

“A transmissão do Estado caiu abaixo de 1. Os dados da pandemia elaborados pela nossa equipe técnica mostra que estamos reduzindo o número de pessoas infectadas. Mas temos, por exemplo, a região noroeste e nordeste, onde o índice de transmissão é maior que 1. Lá, ainda é crescente o nÚmero de pessoas infectadas. Passamos pelo pior momento, e espero que não tenhamos uma segunda onda”, desejou o governador.