Operação “Vade Mecum”: Denarc Guarapari prende inspetor penitenciário envolvido em esquema de tráfico de drogas

Compartilhe

DELEGACIA Especializada de Narcóticos (Denarc) de Guarapari concluiu as investigações da Operação Vade Mecum.

 

Após sete meses de investigação, a Delegacia Especializada de Narcóticos (Denarc) de Guarapari concluiu as investigações da Operação Vade Mecum, que apurou o tráfico de drogas em unidades prisionais do Estado do Espírito Santo. Oito pessoas foram identificadas como envolvidas no esquema criminoso, sete estão presas e uma foragida com mandado de prisão em aberto.

PUBLICIDADE

CONTINUA

A prisão mais recente foi realizada na última sexta-feira (09) e o alvo foi um inspetor penitenciário de 33 anos, que trabalhava no Centro de Detenção Provisória II (CDP II), no Complexo Prisional de Viana. Segundo as investigações, o suspeito transportava entorpecentes para a unidade, sob comando de um interno.

PUBLICIDADE

CONTINUA

“Em todas as fases da investigação houve a integração entre a Secretaria de Justiça e Polícia Civil. A Sejus colaborou decisivamente nas investigações, inclusive, na identificação do alvo que foi preso na última sexta”, disse a superintendente de Polícia Regional Metropolitana, delegada Andreia Pereira.

As investigações apontam que o inspetor negociou uma propina com uma advogada que tem um relacionamento íntimo com um interno do sistema prisional e que foi presa na primeira fase da Operação Vade Mecum, em setembro passado. Ela era responsável por coordenar o envio de entorpecentes para o CDP II, onde seu companheiro estava preso e onde o inspetor penitenciário trabalhava.

Arquivos digitais que ela guardava no computador e no celular foram periciados e, neles, a Polícia Civil encontrou prints de conversas em um aplicativo de mensagens, entre ela e o servidor público. Além disso, a equipe da Denarc de Guarapari apreendeu na casa do investigado e no armário dele no CDP II telefones celulares, fios elétricos e baterias, que seriam entregues a internos da unidade prisional.

“Ele confirmou que formulou o pedido de propina, afirmou que foi uma brincadeira, mas que precisava do dinheiro para comprar um celular, já que o dele havia quebrado. Ele pediu, nessa ocasião, R$ 5 mil a uma das advogadas presas. Ainda na versão do inspetor, ele carregava diariamente, no trajeto do trabalho para casa, esses materiais elétricos e esses celulares, sem saber em que precisaria empregá-los”, afirmou o titular da Denarc, delegado Guilherme Eugênio.

PUBLICIDADE

CONTINUA

Ao longo das apurações, a Denarc Guarapari verificou que os investigados na Operação Vade Mecum são, na verdade, indivíduos de alta periculosidade, ligados a uma organização criminosa que domina o tráfico de drogas em parte do município de Cariacica, local no qual promove diversos homicídios.

Além do inspetor penitenciário, da advogada e do companheiro dela, estão presos outra advogada que prestava serviços para a primeira, e mais três integrantes da organização criminosa. Um homem, suspeito de assumir o comando da organização após a prisão dos demais, está foragido.  Os acusados respondem pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, oferta de propina e organização criminosa.