Deputado incendeia militância, mas Casagrande não assume pré-candidatura à reeleição ao governo

Compartilhe

Coube ao deputado estadual Bruno Lamas, líder do PSB na Assembleia Legislativa, a iniciativa de puxar o coro da militância que lotou ontem o Cerimonial Casa S, em Santa Lúcia, Vitória, em prol da reeleição do governador Renato Casagrande (PSB), mas o chefe do Poder Executivo estadual preferiu adiar mais uma vez a decisão, o que ele disse que será anunciado em maio ou junho.

Aos gritos de “Renato, Renato, Renato!”, Bruno foi o primeiro a exaltar a militância, e foi correspondido pela plateia que, com os punhos erguidos, acompanhou o parlamentar, para delírio de quem compareceu ao Congresso Estadual do PSB, marcado ainda pela volta da deputada estadual Janete de Sá, que deixou o PMN e retornou ao ninho socialista, trazendo prefeitos e novos militantes, além da chegada do também parlamentar estadual Luciano Machado, ex-PV.

O Congresso Estadual também foi palco da reeleição do atual presidente da Executiva regional do PSB, Alberto Gavini, e da apresentação das chapas de pré-candidatos a deputado estadual e federal.

“Nós estamos com a cabeça erguida, com a consciência em paz. Temos o que conversar com as pessoas nas ruas. Vamos em frente. Depende de nós. Temos uma Assembleia comprometida com a sociedade, sem permitir retrocessos. Cabe aqueles que vão disputar a Câmara Federal contribuir para termos um Congresso para combater a pouca vergonha que a gente assiste por aí a fora. Há pessoas que têm a palavra ódio carimbada no coração. Queremos Casagrande de novo”, discursou Bruno.

Embalada por um jingle da campanha e discursos apaixonados pedindo a reeleição, a militância correspondeu aos apelos de “Fica, Casão”, também entoado pela vice-governadora Jacqueline Moraes, mas nada disso foi suficiente para que Casagrande desse o seu “sim”. O governador adiou mais uma vez a decisão, mas garantiu que o projeto que ele lidera terá candidato ao governo.

“Vocês sabem, eu estou jogando para os meses de maio ou junho, quando decidirei a minha posição, se serei candidato ou não ao governo. Quero agradecer todo o carinho de vocês aqui comigo, mas o Estado, nesse momento, precisa mais de governador do que de candidato a governador”, declarou. Para a militância, a decisão é estratégica.

O PSB mostrou força no evento, ao reunir representantes de diversos partidos, dentre eles: os presidentes regionais do PSDB, Vandinho Leite; do Cidadania, Fabrício Gandini; do PV, Fabrício Machado; do PCdoB, Neto Barros; do PDT, Weverson Meireles; e o secretário-geral do PP, Marcos Delmaestro. PT e Podemos, dois aliados, não compareceram.