Espírito Santo terá primeiro azeite produzido em terras capixabas

Compartilhe

Espírito Santo tem, aproximadamente, 300 hectares de área plantada de azeitona, envolvendo cerca de 150 produtores com abrangência nos 17 municípios – Foto: es.gov

 

A chegada da Semana Santa está sendo marcada por uma importante conquista para o Espírito Santo. O azeite, ingrediente de grande importância para a torta capixaba, será produzido pela primeira vez no Estado. A colheita comercial inédita de azeitona foi feita em Santa Teresa, nos dias 03 e 04 de março, com destino ao distrito de Aracê, em Domingos Martins, para processamento e transformação das azeitonas em azeite.

A colheita foi realizada em nove propriedades e os frutos foram transportados para a propriedade rural do produtor Paulo Sardemberg, onde serão processados e envasados. O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) deu início ao Projeto de Olivicultura no Espírito Santo em 2012, com a implantação de uma Unidade de Observação em Caldeirão, Santa Teresa. Em 2015, o plantio de oliveiras foi difundido para outras localidades e hoje abrange 17 municípios capixabas. As azeitonas capixabas, no entanto, já haviam sido transformadas em azeite, mas em terras mineiras, no ano de 2018.

O foco do projeto é a produção de azeite extravirgem de baixa acidez, para expressão da qualidade superior do produto. Atualmente, o Espírito Santo tem, aproximadamente, 300 hectares de área plantada de azeitona, envolvendo cerca de 150 produtores com abrangência nos 17 municípios, dos 23 da região serrana do Estado vocacionados para o desenvolvimento da atividade.

Para o extensionista e coordenador do escritório local do Incaper de Santa Teresa, Carlos Alberto Sangali de Mattos, a colheita comercial marca um momento histórico e fomenta o desenvolvimento da atividade na região serrana. O projeto de Olivicultura é coordenado por Sangali, com auxílio da extensionista Ranusa Coffler.

 

 

“A olivicultura e a produção de azeite, coexistindo harmonicamente com outras atividades, potencializa o desenvolvimento do agroturismo no município. A nossa expectativa é o desenvolvimento exponencial da atividade, buscando atender à demanda interna, reduzindo a evasão de divisas, ampliando a geração de mais oportunidades de trabalho e aumentando a rentabilidade, melhorando assim a qualidade de vida das pessoas envolvidas no negócio”, destacou Sangali.

A atividade de cultivo das oliveiras e a recente conquista do processamento para produção de azeite é resultado de um esforço conjugado entre a Associação dos Olivicultores do Estado do Espírito Santo (Olives), o Incaper e a Prefeitura de Santa Teresa.